As doenças da aorta, principalmente em sua porção torácica, são patologias com morbi-mortalidade elevada. Tanto o tratamento clínico como cirúrgico ainda estão relacionados a elevadas taxas de mortalidade, tornando esse grupo de patologias alvo de extrema importância no tópico das cardiopatias graves.

Aneurisma de aorta torácica

Considera-se a indicação de cirurgia cardíaca quando o diâmetro maior de 5,5 cm na porção ascendente da aorta; com diâmetro maior de 6 cm na porção descendente da aorta; com diâmetro entre 6 e 7 cm nos pacientes de alto risco cirúrgico; com qualquer diâmetro associado a sintomas por compressão de estruturas vizinhas (rouquidão, dor e dispnéia); com diâmetro maior de 5 cm nos portadores de síndrome de Marfan ou válvula aórtica bicúspede; com diâmetro maior de 4 cm, em pacientes com válvula aórtica bicúspede, que necessitem de correção cirúrgica da valvopatia. A indicaçãocirúrgica está indicada também nos aneurismas de aorta associado à rápida progressão, história familiar de dissecção ou estados hipermetabolismo (gestação).

Dissecção de aorta

Dissecção aguda de aorta (menos de quinze dias entre os sintomas e o diagnóstico), envolvendo porção ascendente (Tipo A – Stanford), com ou sem envolvimento da válvula aórtica; dissecção aguda de aorta (Tipo B – Stanford), associada a comprometimento de órgão alvo, ruptura ou iminência de ruptura (formação sacular), extensão retrógrada e nos portadores de síndrome de Marfan; dissecção não aguda da aorta associada com envolvimento de órgão alvo, sintomas recorrentes, progressão retrógrada ou anterógrada da lesão intimal, já pré-estabelecida.

Hematoma de aorta

Os hematomas intramurais de aorta apresentam prognóstico semelhante aos da dissecção clássica de aorta; aqueles localizados na porção proximal da aorta são de pior prognóstico.